O motivo de você comprar água mineral e sal rosa do Himalaia

Você, que faz suas próprias compras, sabia direitinho em qual corredor, até em qual altura da prateleira encontrar o seu sal de costume. Até que um dia você chegou lá, olhou para os saquinhos empilhados com desenhos de cisnes e lebres e percebeu que já não te interessavam tanto. Você tinha ouvido falar de uma coisa mais saudável. Que de alguma maneira mudaria para melhor a sua saúde, mesmo sem saber direito como. Então, você disfarçou e começou a olhar para o lado, a procurar. E começou assim o que terminaria sendo a sua primeira compra de sal rosa do Himalaia.

(Agora que você chegou aqui, alerto: esse texto não é sobre saúde. Prosseguindo:)

Não preciso saber nada sobre você para saber que você consome água e sal. Todos precisamos ingerir água e sal em doses adequadas. Logo, o consumo desses produtos é relativamente estável.

Mas, como faço para ganhar mais dinheiro com esses dois produtos, sabendo que não posso aumentar muito o volume de vendas? Como eles são básicos e não podem se tornar inacessíveis, a solução é manter o básico e criar também novos produtos, mais caros, que tenham os mesmos fins.

No passado, milhares de brasileiros foram convencidos a deixar de tomar água fresquinha de um filtro de barro – um dos melhores do mundo – em troca de água em galão. A água mineral pode ser mais saudável, mas o preço para isso é centenas de vezes maior na comparação com a água filtrada – sem contar que nem sempre água engarrafada é água mineral.

Com o sal o raciocínio é o mesmo. O que aconteceu com a água a partir dos anos 70 pode ser comparado com o que acontece com o sal hoje. Além do sal rosa do Himalaia há diversas outras versões, que podem ser mais saudáveis por serem menos processadas ou conter mais minerais, entre outros atrativos diversos que fazem disparar o preço de um produto necessário e, até então, barato.

Com o tempo o consumo de sal rosa e água mineral se torna normal – pelo menos para as pessoas com a faixa de renda desejada pelos vendedores de tais produtos. Assim nasce a necessidade, ou demanda, criada pelo mercado.

A demanda criada pelo mercado é ruim?

A história do primeiro parágrafo é também a minha e posso dizer que comprei um pote pequeno de sal do Himalaia sim. Avaliando aqui, em nenhum momento prévio à compra eu havia pesquisado “como posso ser mais saudável trocando de sal”. A ideia foi sendo sugerida por vários meios. Testei e retornei ao sal marinho. Pra você pode fazer mais sentido usar apenas o sal rosa.

No caso da água, eu uso em casa um filtro e acho bom, e evito garrafas pequenas de água mineral pelo lixo de plástico que geram. Enfim, não tenho nada contra tentar algo diferente, só é bom parar e pensar sobre como são formados os hábitos “tão nossos”.

Gostou do artigo? Curta a página no facebook para receber novos conteúdos.