Conheça 10 sinais de alerta para o consumo compulsivo

Com certeza você que está lendo esse artigo sente algum prazer em fazer compras e não importa qual tipo de compra é o seu fraco – provavelmente há um. Pra mim são principalmente livros. Pra outros os olhos saltam por relógios, para alguns são roupas ou eletrônicos. E daí em diante.

Embora o consumo seja parte da nossa vida, e justamente por estarmos expostos a incentivos de compra o tempo todo, é importante observar os nossos hábitos de consumo para ter certeza de que eles não se tornem um problema.

Em seu livro Psicologia Econômica – Estudo do comportamento econômico e da tomada de decisão, a doutora Vera Rita de Mello Ferreira resume os dados dos estudos mais significativos sobre o tema. É com base nos dados mencionados no capítulo sobre consumo compulsivo que descreverei aqui os sinais de alerta para a questão.

 

10 sinais de consumo compulsivo

De acordo com o estudo mencionado no livro, as compras compulsivas tendem a se enquadrar nos requisitos abaixo:

  1. “A pessoa depende do comprar como fonte externa de mudança de humor e como reação a estresse, emoções desagradáveis”;
  2. “O impulso por trás da compulsão não seria a aquisição do objeto concreto em si”, mas no sentimento que permeia o ato da compra. O que leva à compra pode ser, por exemplo, o ato de receber o produto embalado ou embrulhado para ser aberto. Nesse caso, após a sensação causada no momento de abrir o pacote, o produto perde o valor. “Os produtos adquiridos em si têm importância apenas marginal”;
  3. Quase todos relatam impulsos irresistíveis e crescentes;
  4. A pessoa pode tentar resistir ao impulso e experimenta, ao longo do tempo, o impulso e a reação a ele – como resultado pode haver planejamento para o ato da compra, ela nem sempre é espontânea;
  5. A pessoa costuma ‘especializar-se’ em um tipo de compra e permanecer naquele nicho, podendo comprar produtos repetidos ou parecidos entre si;
  6. A loja e o produto escolhidos estão associados à auto-imagem desejada;
  7. A experiência [de compra] é, em geral, descrita como prazerosa, chegando a ser comparada à sensação de ‘barato’ ou de ‘adrenalina’.
  8. Tipicamente, depois da compra o comprador sente arrependimento, culpa, ansiedade ou vergonha;
  9. Em muitos estudos, as pessoas relatam que as compras causam problemas financeiros e na vida pessoal;
  10. Apesar dos sentimentos negativos após uma compra, o comprador compulsivo chega a um estado em que não consegue se negar a próxima aquisição.

 

Você pode se identificar com alguns dos sinais acima e não ser um comprador compulsivo. A dra. Susanne Friese, que tem trabalho mencionado no livro, defende que todos os compradores podem recorrer à compras como distração ou até para mudança de humor em certas ocasiões. Isso ocorre porque a sensação de prazer é comum para compradores em geral. A principal diferença psicológica na compra compulsiva é que o comprador compulsivo têm uma relação mais estreita entre compra e valor próprio, ele se sente valorizado ou legitimado pelo ato de comprar. Por isso, para o comprador compulsivo a compra é como um fim em si mesmo.

 

Tratamento para o comprador compulsivo

O comprador compulsivo chega a um ponto em que sente que comprar é a única alternativa, que se torna difícil controlar e leva a consequências em outros aspectos da vida. Ou seja, embora o impulso de comprar é latente em todos os consumidores, sob as condições certas ele se torna um vício e a pessoa que está nesse ciclo sofre com isso.

Por isso, de acordo com a Dra. Susanne, é importante reconhecer que a compra compulsiva deve ser levada a sério e não ser um motivo de piada ou brincadeiras. Terapia e grupos de apoio para compradores compulsivos podem ajudar, e é essencial o apoio familiar e de amigos.

Gostou do artigo? Curta a página no facebook para receber novos conteúdos.