Você sabe se as roupas que compra foram feitas com trabalho escravo?

Há muito tempo se sabe o quanto a indústria da moda utiliza trabalho degradante e análogo ao de escravo, em outros países, para conseguir produzir em grande escala e com preços baixos, como mostrou o documentário “The True Cost”, de 2015 (imperdível e disponível no Netflix). É até fácil intuir que, em lojas que vendem peças muito baratas, o produtor não tenha sido justamente remunerado. Só que esse raciocínio pode fazer crer que roupas caras estariam imunes a isso.

Mais essa lógica não é verdadeira, como mostram os casos de trabalho escravo encontrados em oficinas no Brasil. A prova disso são os casos que já foram registrados como o trabalho escravo para a Animale e o caso mais recente de trabalho escravo na moda que veio à tona, desta vez pela marca Amissima.

Se o preço não é o que indica que o produto foi feito de forma justa e responsável, como saber?

Há algumas formas de saber se uma marca utiliza ou não trabalho escravo. Uma delas é saber que a empresa monitora as condições de trabalho de seus fornecedores, sejam eles diretos ou subcontratados.

Para facilitar o acesso a informações como essa você pode usar o aplicativo Moda Livre, criado pelo Repórter Brasil. A ferramenta foi considerada pela ONU como referência mundial no combate ao trabalho escravo na indústria de roupas. Atualmente o Moda Livre lista 101 marcas e traz dados como quais delas têm histórico com casos de trabalho escravo ou quais têm mecanismos de acompanhamento sobre sua cadeia produtiva.

Caso a empresa que você busca não esteja no aplicativo, você pode procurar no site da companhia o que ela declara sobre a questão. Se o site não tiver as informações que você procura, pergunte diretamente nas redes sociais da marca. Você pode fazer perguntas como: Ela monitora sua cadeia produtiva? Quais procedimentos toma para evitar o trabalho escravo?  A marca faz parte da ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil?

Assim, você pode ficar tranquilo de que aquela roupa que você mesmo ou alguém que você gosta vai utilizar não foi feita sobre a exploração de nenhum outro ser humano.

Gostou do artigo? Curta a página no facebook para receber novos conteúdos.